quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O que os outros pensam quando você diz que não tem religião?

As pessoas não deveriam precisar de religião para praticar coisas boas, porém, se não houvesse religião, e as pessoas fossem educadas a praticar o bem simplesmente por bom senso, por respeito ao ser humano, respeito ao outro, será que elas obedeceriam?

Afinal, mesmo com a técnica do medo usada pela religião isso não funciona. Pegando um religioso como exemplo, ele defende com unhas e dentes sua religião. Acha que qualquer pessoa capaz de questionar sua crença é uma pessoa de má índole. Ele não consegue se imaginar questionando a existência de deus ou dos ensinamentos de sua religião. Isto tudo leva a crer que este religioso em questão é alguém com uma moral exemplar e um senso de justiça e conduta exemplares, não é mesmo? O imaginamos como alguém com virtudes extraordinariamente exemplares visto que é isso que sua religião "teoricamente" prega, e que ele não consegue desassociar boa índole de crença. Logo, se ele crê, ele é boa pessoa.

Mas, se olharmos criticamente para a vida e as ações deste religioso em questão, encontraremos comportamentos altamente condenáveis sob o ponto de vista de sua religião.

Provavelmente este religioso julga os outros pela aparência; provavelmente tem uma visão estereotipada sobre os outros, provavelmente trai (e conta tal proeza para seus amigos também religiosos em uma mesa de bar). Se tivesse que trapacear para levar vantagem sobre alguém em uma vaga de emprego, assim faria (ou em qualquer outro tipo de situação). Entre tantas outras coisas que são "rotineiras" do ser humano que eu poderia citar aqui, porém, são contra as "regras divinas".
Como explicar, então, o fato de esta pessoa lutar tanto a favor de uma crença que nem ela mesma respeita???

Não é tão difícil entender.

Religião, é hoje, um hábito. As pessoas cresceram com ela. Foram acostumadas pelos seus pais a irem na igreja todos os domingos (e muitos, nem isso). O que faz as pessoas se sentirem tão ofendidas com o fato de alguém questionar sua religião, é o mesmo motivo que faz esta mesma pessoa reagir contra quem xinga o seu time do coração. Religião, nada mais é do que um rótulo que ele tem que defender a todo custo, porque nasceu com isto, e vai defendê-lo até a morte.

Descrevendo, hipoteticamente, nosso religioso:

  • é homem,
  • é flamenguista
  • é católico.

E qualquer dúvida que eu colocar em relação a qualquer uma destas questões, ele regirá furiosamente contra mim. Mesmo que ele nem acompanhe futebol, por ser brasileiro, automaticamente ele escolhe um time para falar que torce. E vai discutir com qualquer vascaíno que o desafiar para um debate sobre futebol. Assim também, ele se diz católico, porque faz parte de nós, brasileiros, termos uma religião (mesmo sem nunca ter entrado numa igreja). Irá também ridicularizar qualquer protestante que bater na sua porta para tentar "convertê-lo" (repito: mesmo sem nunca ter entrado numa igreja católica).

Pessoas defendem coisas que nem elas sabem por que estão defendendo. Não estão defendendo, no fundo, sua religião, seu deus, seu time, a moral e os bons costumes... estão defendendo a cultura a que foram involuntariamente inseridos. Nunca pararam para pensar criticamente e imparcialmente sobre tais assuntos. Apenas cresceram com eles, graças a pais também ignorantes.

A simples ideia de se afastar de uma religião (que ele nunca praticou) é chocante para ele.

Minha conclusão sobre isso tudo:

Um mundo sem religião seria, de acordo com muitos defensores dessa "coisa", um caos. Todos passando por cima de todos, fazendo o que bem entendem...porque esses defensores da religião veem nela uma forma de controle. Mas se olharmos para o mundo, ele não está sob controle. Inclusive os religiosos não estão sob controle. Então, eu até veria como benefício ter a religião como uma forma de controle. Mas, como a realidade é diferente, e nem os religiosos não colocam em prática aquilo que pregam, não vejo motivo para esta coisa existir.

Um mundo sem religião não seria tão diferente de um mundo com religião (talvez com menos guerras - o que seria benefício).

Até porque, é sempre bom lembrarmos o seguinte: para que existe justiça dos homens, se os homens se acham tão dentro das "normas divinas"? De qualquer forma, com ou sem religião, teríamos a justiça dos homens, responsável por punir aqueles que não respeitam o espaço ou a vida do outro. Ninguém deixa de matar porque está nos Dez Mandamentos. A pessoa não faz isso porque será preso, vai para a cadeia!

E, para terminar, uma coisa que gostaria que todo mundo que ler isso aqui "refletisse": já repararam que só há 2 coisas que criminosos respeitam? São elas: suas mães, e ......... deus! Irônico, não?

OBS.: Lembrando sempre que a palavra "deus" está escrita toda com letras minúsculas de forma consciente.
Comentários pelo Facebook

terça-feira, 5 de outubro de 2010

O valor que damos às coisas e às pessoas (ou não)

Hoje eu estava pensando sobre aqueles raros momentos na nossa vida em que nos sentimos útil pra alguém, a ponto de recebermos algum tipo de retribuição por isso.

Não me recordo de muitos casos desses na minha vida, porque aconteceram poucos mesmo. Mas acho que isso pode explicar uma ideia que eu tenho de que, quando se desprende de algumas crenças que prometem uma vida melhor depois da morte, a gente passa a ser mais humano. Antes eu acreditava que ser bom me levaria para algum lugar depois desta vida, e isso me confortava. Hoje, que não acredito mais nisso, às vezes fico pensando "afinal, vou passar um tempo aqui e depois acabou?"... dá uma sensação ruim pensar isso, mas, ainda assim, é nisso que acredito hoje.
E, talvez por isso, eu comecei a achar graça em coisas que antes passavam despercebidas, como quando eu me sinto bem por ter podido ajudar alguém.

Então, me lembrei de uma história que me aconteceu quando eu trabalhava com celulares. Celular, hoje em dia, é quase que uma parte da vida da pessoa. Se a pessoa perder determinado tipo de dados no seu aparelho, provavelmente aquilo vai causar algum tipo de mal-estar para ela.
E era engraçado como eu me sentia às vezes com uma responsabilidade tão grande nas mãos por estar mexendo com uma coisa tão simples...uma coisa material. Mas isso se deve ao valor que damos a esses aparelhos eletrônicos - valor até justificável muitas vezes. Lembro que eu pensava "já pensou se eu fosse um médico tentando salvar uma vida? Eu não teria estrutura para isso" - e não teria mesmo.

Mas, num certo dia, chegou um rapaz lá na loja com um aparelho que estava com um problema que eu não me lembro qual era, e ele estava precisando muito resolver aquele problema naquele momento. Então, eu fiz o que tinha que ser feito no aparelho dele, e era algo tão simples que, naqueles casos, nós não cobrávamos por aquilo. Era como tirar o código de segurança padrão do celular dele...desabilitá-lo. E eu fiz aquilo ali na hora pra ele, não fiz como outros técnicos fazem (fingem que é algo mais sério e cobram o serviço).

Terminado o que tinha que ser feito, ele quis me pagar de qualquer forma. Me elogiou, e insistiu em me pagar! E eu tive que receber a "gorjeta", porque ele não parava de insistir. Eu ainda queria lembrar quem era a pessoa, porque era alguém que eu não conhecia. E eu ainda queria retribuir essa boa ação, por causa da raridade com que isso acontece.

Foi um dia como poucos na minha vida, em que eu me senti útil e valorizado, não só financeiramente, mas como ser humano. Porque a maioria das pessoas que me elogiaram quando eu trabalhava nesta loja, direcionaram o elogio à minha paciência e educação com elas (coisas que eu sempre tive com as pessoas e, quase sempre, só recebi o inverso). E é importante dizer que, nessa época, eu estava explodindo por dentro, de rancor, de decepção pelo mundo e pelo que este "mundo" me prometeu e não cumpriu.

Foi num mundo de gentilezas assim que eu fui educado a acreditar, por isso tive a grande decepção ao ver que aquilo era apenas um mundo idealizado por todos e não praticado por ninguém. Neste tipo de acontecimento, a vida cala a minha boca! São casos raros, mas é muito bom sentir a vida calando a minha boca! É muito melhor que me calem por eu ser um realista, do que tomar tapas na cara por ser um inocente otimista.
Comentários pelo Facebook

sábado, 2 de outubro de 2010

Política - Voto NULO porque tenho esse direito.

Fico olhando aqueles debates políticos e vendo o quanto essas pessoas são inteligentes. Fazem perguntas para eles que eu penso "nessa ele tá fodido", e eles respondem na maior tranquilidade. Fico impressionado! Além do mais, eles parecem ser pessoas dotadas de um conhecimento geral, sobre qualquer assunto. Eles dão detalhes sobre qualquer tipo de situação. Sem falar que conhecem o "sistema" político de uma forma impressionante (claro que é obrigação deles saberem, mas quem já tentou entender como funciona, sabe como é difícil - eu já tentei e desisti, mas eu não sirvo de base para nada, né? ¬¬ )!

Fato é que, com essa inteligência toda, por que eles não fazem o que prometem quando estão no poder? Não vou citar possíveis e visíveis motivos aqui. Só estou questionando porque acho um absurdo que essas pessoas têm a inteligência e o poder para fazer algo de bom pelos outros e não fazem. Simplesmente porque são pessoas "comuns", destas que quando estão "por cima"e não precisam mais dos outros, os jogam fora como lixo! É assim que somos ensinados pelo mundo e pela nossa cultura da "malandragem brasileira" que "nos" orgulhamos tanto!

Sim, porque durante as eleições eles ficam fazendo aquelas babaquices de abraçar idosos, pegar crianças no colo, abraçar pessoas "de cor" (é tão difícil tocar nesse assunto, porque qualquer nome que eu usar aqui sempre vão achar ruim)...ou seja, teoricamente minorias e pessoas que sofrem preconceitos.
E, ironicamente, são estes os que menos percebem que quando esses políticos estão no poder, se esquecem deles.
Aliás, acho uma piada as pessoas brigarem por política. Até futebol eu acho mais perdoável que se brigue do que política. Porque políticos são pessoas que ganham para melhorar nossas vidas, e eles não fazem isso pelo simples fato de não querer fazer. E os trouxas ficam brigando por causa deles.

E as frases usadas para fazer a lavagem cerebral?

"Voto é coisa séria"


"Votar é exercer o seu direito de escolher seu governante"


Coisa séria? Ah, sim...o voto, né? Depois, quando eles ganham é que vira palhaçada. E que direito é esse? Eu sou OBRIGADO a votar! Não tenho direito. Ter direito é quando eu posso optar por fazer ou não.

Mas povo burro não percebe que isso é lavagem. Principalmente quando dizem que votar NULO é uma coisa errada. E o povo absorve estas coisas com uma facilidade incrível!
Ainda acho que falta muita atitude nas pessoas. Mas o que se pode fazer quando se vive em uma cultura onde questionar é considerado coisa de adolescente? Ser adulto na nossa cultura é aceitar tudo que é imposto calado, não ser "chorão". E aí caimos naquela frase clichê: todo povo tem o governante que merece.
Não dá pra não concordar com isso.




Comentários pelo Facebook