domingo, 19 de maio de 2013

Quando o "Curíntias" perde, a culpa é minha!


Acho curioso o discurso que nos aponta erros responsáveis pela nossa não-adaptação à regras sociais. Como se o fato de termos um comportamento mais natural e sincero nas relações, pudesse legitimar a reação negativa dos outros a nosso respeito.
Não existe controle sobre o que conquistamos. Conquista é um nome que damos a um esforço bem-sucedido, mesmo que o resultado favorável não tenha sido o que foi planejado a princípio. Mas é claro que, socialmente, precisamos omitir o esforço malsucedido para estar em dia com nosso ego e dizer que somos vitoriosos, mesmo depois dos desvios de curso, afinal, o mundo nos quer falsos e orgulhosos do que não somos.

Recentemente, li que os casos de depressão têm aumentado devido à procura das pessoas pelo sucesso. Essa cobrança por sempre mais e o discurso social de que não ser bem-sucedido deve-se à falta de competência e ao desmerecimento, faz com que entremos num estado de autocobrança e frustração, e nos faz sentir fracassados.

Não é raro de se ver, hoje em dia, gente que se orgulha de não dar esmolas porque "tem muitos lugares aí precisando de gente pra trabalhar". Acho uma conclusão precipitada. Pra que você seja admitido em qualquer supermercado explorador por aí, precisa passar em testes de RH daqueles bem nonsense, cheios de jogos tipo pique-esconde e perguntas que aguardam respostas chavão. E lembre-se: em testes de RH, nunca seja você mesmo!
Houve uma época, quando eu estava procurando emprego, que me chamou a atenção um detalhe exposto em quase toda oferta de trabalho que eu via: "ser comunicativo". Lembro de ter visto esse pré-requisito em áreas diversas - inclusive para vagas onde se trabalha sozinho. Os próprios testes de RH parecem servir como um filtro para garantir que os "selvagens" não sejam admitidos no "Admirável Mundo Novo" - o que sempre me dá a impressão de que os melhores lugares estão reservados para os ignorantes incapazes de ver o mundo além de sua própria "espécie".
Será possível ter dinheiro, valor e respeito sendo autêntico?

O que quero dizer com isso tudo é que "querer é poder" é um discurso muito simplista e simplório que só pode ser formulado por pessoas carentes de uma visão de mundo além do próprio umbigo. Nós não estamos sozinhos - mesmo que solitários - já que vivemos em um sistema social. Tudo que somos depende de outros. Nascemos vinculados a família, Estado, cultura e vários outros tipos de "sistemas fechados" que nos obriga a omitir naturalidades mais naturais que as sociais e que, em alguns casos, essas omissões são determinantes nas nossas motivações. Não há como, por exemplo, cobrar "orgulho da pátria" de um cidadão que vê o Estado como limitador de suas vontades. Mas o Estado está lá, queira você ou não! Querer é poder, então? Não! Muitas vezes o que queremos precisa ser conquistado à base de submissão a situações impostas socialmente e que só nos dão a sensação de bem-estar quando somos remunerados porque substituímos o prazer da liberdade, que nos foi tirada, por esses prazeres passageiros compráveis - mesmo que falemos, aqui, de pessoas compráveis.

O sentimento de desconforto e inaptidão ao teatro que é o nosso dia-a-dia nunca será compreendido por quem se sente confortável a ele. É quase uma loteria. Se você nasce com aptidão para atividades bem remuneradas, nunca vai sentir o peso de ser você mesmo, já que seu "eu mesmo" se encaixa aos padrões. Mas se sua essência te faz inapto ao que o mundo valoriza, terá que viver sempre com conflitos internos. Fazer o que eu gosto, mas ser mal remunerado? Fazer o que não gosto e ser bem remunerado? Me assumir como sou e ser menos relacionado? Lutar pra me adequar ao perfil padrão, mas me sentir desconfortável? Essas são as questões! Podemos, sim, fazer esforços para nos adaptar e conseguirmos resultados positivos com isso. Mas será mesmo que precisamos renunciar ao que, em nós, é natural? Não seria melhor que o mundo não determinasse que tipo de perfil é o ideal?

Alguém sempre vai ver o que falta em você! Por mais que obtenha sucessos, será cobrado pelo que fracassou! Vão dizer que fez escolhas erradas, como se você pudesse prever o resultado de cada escolha que faz na vida.

"Mas a culpa é sua!"... "Você poderia ter lutado mais!"... "Você é brasileiro e não desiste nunca!"...

E quanto mais motivado você se sente com esse tipo de frase, mais você se cobra e abastece a criminalidade engravatada.
Inventaram conceitos de perfeição e, aceitando ou não, você precisa aderir para sobreviver. Não dá pra viver fora da Caverna o tempo inteiro. É preciso entrar, de vez em quando, pra buscar o sustento. E aqueles que te culpam, nunca saberão o quanto é difícil passar várias horas por dia "jogando o jogo" que você não se enquadra para ter direito às poucas horas de ser você mesmo.

Comentários pelo Facebook