quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O que os outros pensam quando você diz que não tem religião?

As pessoas não deveriam precisar de religião para praticar coisas boas, porém, se não houvesse religião, e as pessoas fossem educadas a praticar o bem simplesmente por bom senso, por respeito ao ser humano, respeito ao outro, será que elas obedeceriam?

Afinal, mesmo com a técnica do medo usada pela religião isso não funciona. Pegando um religioso como exemplo, ele defende com unhas e dentes sua religião. Acha que qualquer pessoa capaz de questionar sua crença é uma pessoa de má índole. Ele não consegue se imaginar questionando a existência de deus ou dos ensinamentos de sua religião. Isto tudo leva a crer que este religioso em questão é alguém com uma moral exemplar e um senso de justiça e conduta exemplares, não é mesmo? O imaginamos como alguém com virtudes extraordinariamente exemplares visto que é isso que sua religião "teoricamente" prega, e que ele não consegue desassociar boa índole de crença. Logo, se ele crê, ele é boa pessoa.

Mas, se olharmos criticamente para a vida e as ações deste religioso em questão, encontraremos comportamentos altamente condenáveis sob o ponto de vista de sua religião.

Provavelmente este religioso julga os outros pela aparência; provavelmente tem uma visão estereotipada sobre os outros, provavelmente trai (e conta tal proeza para seus amigos também religiosos em uma mesa de bar). Se tivesse que trapacear para levar vantagem sobre alguém em uma vaga de emprego, assim faria (ou em qualquer outro tipo de situação). Entre tantas outras coisas que são "rotineiras" do ser humano que eu poderia citar aqui, porém, são contra as "regras divinas".
Como explicar, então, o fato de esta pessoa lutar tanto a favor de uma crença que nem ela mesma respeita???

Não é tão difícil entender.

Religião, é hoje, um hábito. As pessoas cresceram com ela. Foram acostumadas pelos seus pais a irem na igreja todos os domingos (e muitos, nem isso). O que faz as pessoas se sentirem tão ofendidas com o fato de alguém questionar sua religião, é o mesmo motivo que faz esta mesma pessoa reagir contra quem xinga o seu time do coração. Religião, nada mais é do que um rótulo que ele tem que defender a todo custo, porque nasceu com isto, e vai defendê-lo até a morte.

Descrevendo, hipoteticamente, nosso religioso:

  • é homem,
  • é flamenguista
  • é católico.

E qualquer dúvida que eu colocar em relação a qualquer uma destas questões, ele regirá furiosamente contra mim. Mesmo que ele nem acompanhe futebol, por ser brasileiro, automaticamente ele escolhe um time para falar que torce. E vai discutir com qualquer vascaíno que o desafiar para um debate sobre futebol. Assim também, ele se diz católico, porque faz parte de nós, brasileiros, termos uma religião (mesmo sem nunca ter entrado numa igreja). Irá também ridicularizar qualquer protestante que bater na sua porta para tentar "convertê-lo" (repito: mesmo sem nunca ter entrado numa igreja católica).

Pessoas defendem coisas que nem elas sabem por que estão defendendo. Não estão defendendo, no fundo, sua religião, seu deus, seu time, a moral e os bons costumes... estão defendendo a cultura a que foram involuntariamente inseridos. Nunca pararam para pensar criticamente e imparcialmente sobre tais assuntos. Apenas cresceram com eles, graças a pais também ignorantes.

A simples ideia de se afastar de uma religião (que ele nunca praticou) é chocante para ele.

Minha conclusão sobre isso tudo:

Um mundo sem religião seria, de acordo com muitos defensores dessa "coisa", um caos. Todos passando por cima de todos, fazendo o que bem entendem...porque esses defensores da religião veem nela uma forma de controle. Mas se olharmos para o mundo, ele não está sob controle. Inclusive os religiosos não estão sob controle. Então, eu até veria como benefício ter a religião como uma forma de controle. Mas, como a realidade é diferente, e nem os religiosos não colocam em prática aquilo que pregam, não vejo motivo para esta coisa existir.

Um mundo sem religião não seria tão diferente de um mundo com religião (talvez com menos guerras - o que seria benefício).

Até porque, é sempre bom lembrarmos o seguinte: para que existe justiça dos homens, se os homens se acham tão dentro das "normas divinas"? De qualquer forma, com ou sem religião, teríamos a justiça dos homens, responsável por punir aqueles que não respeitam o espaço ou a vida do outro. Ninguém deixa de matar porque está nos Dez Mandamentos. A pessoa não faz isso porque será preso, vai para a cadeia!

E, para terminar, uma coisa que gostaria que todo mundo que ler isso aqui "refletisse": já repararam que só há 2 coisas que criminosos respeitam? São elas: suas mães, e ......... deus! Irônico, não?

OBS.: Lembrando sempre que a palavra "deus" está escrita toda com letras minúsculas de forma consciente.

7 comentários:

  1. "Uma vez Flamengo, sempre Corinthians, Cruzeiro sempre eu hei de ser. É meu maior prazer ver o Grêmio brilhar, seja na terra, seja no mar. Vencer, vencer, vencer. Uma vez Palmeiras, Goiás até morrer!"

    ResponderExcluir
  2. "Hem? Hem? O que mais penso, testo e explico: todo-omundo é louco. O senhor, eu, nós, as pessoas todas. Por isso é que se carece principalmente de religião: para se desendoidecer, desdoidar. Reza é que sara da loucura. No geral. Isso é que é a salvação-da-alma... Muita religião, seu moço! Eu cá, não perco ocasião de religião. Aproveito de todas. Bebo água de todo rio... Uma só, para mim é pouca, talvez não me chegue. Rezo cristão, católico, embrenho a certo; e aceito as preces de compadre meu Quelemém, doutrina dele, de Cardéque. Mas, quando posso, vou no Mindubim, onde um Matias é crente, metodista: a gente se acusa de pecador, lê alto a Bíblia, e ora, cantando hinos belos deles. Tudo me quieta, me suspende. Qualquer sombrinha me refresca. Mas é só muito provisório. Eu queria rezar – o tempo todo. Muita gente não me aprova, acham que lei de Deus é privilégios, invariável. E eu! Bofe! Detesto! O que sou? – o que faço, que quero, muito curial. E em cara de todos faço, executado. Eu não tresmalho!"
    Guimarães Rosa.

    Bom, sou religiosa e não me adequo ao esteriotipo citado no seu texto, mas concordo em partes contigo!

    ResponderExcluir
  3. Flamengo...
    Gostei do seu texto não sei porque.(na verdade sei,mas não queria...hehhe).
    Muito bom.

    abraço.

    ResponderExcluir
  4. não queria? Hehe... não entendi...
    E valeu! Abraço, "Mr. Anderson"!

    Larissa, que bom que gostou mesmo sendo religiosa. É uma coisa muito comum isso do texto, mesmo não sendo TODOS os religiosos. Basta ver, recentemente, o caso que ocorreu na política, onde a Dilma teve que "fingir" ser uma religiosa para não perder votos. Acho um absurdo isso. Não da parte dela. Da parte dos eleitores que pensam que o fato de ela não ter religião a faria alguém ruim. Ela fez certo de "fingir". Já que o povo gosta de ser enganado pra confiar em alguém, ela "jogou o jogo". Mas achei um absurdo ela ter que fazer isso e o outro lado pegar o lado não religioso dela como um defeito dela. Coisas como essas são motivos de eu querer fazer isso aqui e tentar mostrar, para quem me achar aqui, que as pessoas precisam ser mais humanas naturalmente, sem essas máscaras culturais.

    ResponderExcluir
  5. Geralmente querem me jogar pedras. Principalmente meus famíliares, por isso prefiro nem falar sobre. Guardo meu vazio religioso para mim mesmo.
    E é triste saber que não sou livre, e nem serei respeitado para ter a religião que eu quiser.(Ou não ter) -É o que diz na constituição não é?

    Quando eu era mais novo e falei pra minha mãe que era ateu, ela ficou chocada e não quis acreditar. Mas eu sabia muito bem do que eu falava. Impossível acreditar no deus do amor, ao qual se não correspondido, me jogará nas labaredas do inferno para todo o sempre.

    Se ele é tão perfeito assim, porque não me aceitaria? Não é ele que prega o perdão e o respeito?

    Acho que deus também não pratica a religião que pregam por ele. Hahaha.

    ResponderExcluir
  6. Pois é, "Old Fel". É mais fácil achar um religioso do que um não-religioso. Mas achar um religioso PRATICANTE, isso é quase como achar um extraterrestre. Não existe quase nenhum. Só ouvimos falar. Haha. Poucos se dão conta de que religião é pra ser praticada. Não é uma coisa que se diz, do nada, "eu sou católico"! O negócio tem regras a serem seguidas e tal. Mas ninguém nem para pra pensar nisso. Apenas se rotulam como sendo dessa ou daquela religião e nem sabem o que é ensinado ali.

    E concordo com você.Deus, se existe, não pratica mesmo religião nenhuma. Porque ele tá em débito comigo desde a época que eu era do meio dele. Haha

    ResponderExcluir